Desde que a dupla Ciça e Toninho Heitor se instalou no poder, o vereador mais votado na última eleição, Bruno Augusto – PSB, de Aparecida de Minas, tem sido vítima de uma série de ações que visam prejudicá-lo politicamente.

Foi assim na reunião – se é que tal episódio pode ser chamado de reunião – ocorrida no dia primeiro de janeiro para a escolha do presidente da Câmara e para dar posse aos eleitos em 2016, quando uma avalanche de xingamentos e truculências foi colocada em prática com a finalidade de tumultuar o ato e manobrar a situação em favor do grupo da prefeita, que assistia a tudo.

Diante da truculência, também assistida por uma plateia de eleitores dela, mas também por autoridades locais, Bruno Augusto foi impedido de concluir a reunião, o que acabou beneficiando um vereador do grupo da prefeita e ele acabou sendo eleito presidente num ato antidemocrático e de imposição extrema, até contrariando o Regimento da Câmara e a Lei Orgânica do Município.

O caso foi parar nas mãos do Poder Judiciário, através de um Mandado de Segurança que visa restabelecer a ordem. Caso o MS seja acatado, uma nova eleição para a Presidência da Câmara deverá ocorrer. A decisão judicial será conhecida em poucos dias.
PERSEGUIÇÃO E AUTORITARISMO
DEPRECIAM APARECIDA DE MINAS

De família tradicional do “Cisco”, Bruno Augusto foi reeleito para mais um mandado de vereador com a maior votação entre os candidatos, ao obter 1.440 votos. E sua principal base eleitoral é o Distrito de Aparecida de Minas, onde reside e concentra seu trabalho. Mas o reconhecimento pela dinâmica imposta por ele na condução do mandato ultrapassou as divisas do distrito, alcançando excelente votação também na sede do município: Frutal.

Ao mirar suas armas contra o vereador, a atual administração ainda não percebeu que está atingindo mortalmente o distrito de Aparecida de Minas, responsável por mais de 25% da arrecadação de Frutal e consolidado entre os grandes produtores de abacaxi do Estado, “exportando” novidades em implementos agrícolas e disponibilizando novas técnicas de produção.

Nessa luta, desleal e desigual que o vereador vem enfrentando como pode, conquistas importantes estão sendo perdidas, como a possibilidade em escolher os diretores de escola por votação aberta, elaboração de projetos de leis que poderiam beneficiar todo o município, defesas de interesse popular, como a redução de taxas, questionamentos e tantas outras ações parlamentares, características do vereador Bruno.

Mas a visão míope em mais uma atitude desleal da atual administração pode impedir a circulação de um ônibus conseguido pelo vereador junto ao deputado federal Newton Cardoso Jr. – mais uma conquista do distrito (são dois, na verdade).

O veículo foi liberado em solenidade realizada em BH, onde Bruno esteve presente, a convite dos responsáveis pelas emendas: os deputados Newton Júnior e Tenente Lúcio. Através do rádio, a prefeita – por meio da secretária de educação – anunciou que o veículo teria outro destino e não iria para Aparecida de Minas.

De lá para cá, a situação ficou ainda pior para a prefeita e seu vice. A decisão de Ciça viralizou nas redes sociais, se tornando a queda de braço do momento. Bruno Augusto ganhou uma infinidade de seguidores e gente de peso saiu em sua defesa. O vereador não se apôs à ideia de disponibilizar um dos ônibus para fazer o transporte de universitários, da cidade para a UEMG. Mas não abre mão de ver o segundo veículo sendo utilizado pelos moradores do seu distrito.

Além disso, já deixou transparecer sua preocupação com outras conquistas: uma considerável soma em dinheiro para ser usado no recapeamento das ruas do distrito: R$ 300 mil, verba conseguida junto ao deputado federal Newton Cardoso Júnior. Outros R$ 300 mil são aguardados para a revitalização da Praça do Distrito, uma conquista viabilizada através do deputado federal Tenente Lúcio, do seu partido, o PSB.

Para a reportagem, Bruno confirmou seu receio sobre a destinação das verbas a serem liberadas. “Existe o receio de usarem o dinheiro para outra finalidade, mas não posso deixar de trabalhar e me curvar aos destemperos da prefeita e do seu vice. Quero muito que eles vejam Aparecida de Minas como parte importante do município, não como um curral eleitoral. Minha luta continua e espero que a população me entenda e me ajude. A administração tem que respeitar o mandato do vereador em sua luta para devolver, em benefícios, os votos que ele recebeu”, concluiu.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here