FBI planta celulares 'criptografados' em quadrilhas e mais de 800 são presos

Telefones foram vendidos ao crime organizado durante três anos e resultou na operação 'Escudo de Troia', que apreendeu toneladas de drogas e milhões em dinheiro e criptomoedas

Por João Cerino em 09/06/2021 às 14:01:26

Uma investigação mundial em que telefones "criptografados" foram vendidos ao crime organizado resultou em uma operação com mais de 800 prisões e a apreensão milhões de dólares, toneladas de drogas, centenas de armas e dezenas de carros de luxo, disseram autoridades nesta terça-feira, 8. A operação "Trojan Shield" ou "Escudo de Troia", em tradução livre, foi concebida em 2018 pela polícia australiana e pelo FBI, a Polícia Federal americana. Os celulares foram "plantados" durante três anos e podiam ser monitorados.

O FBI ajudou a infiltrar 12 mil aparelhos em trezentos grupos criminosos em mais de cem países, afirmou Calvin Shivers, da Divisão de Investigação Criminal da Polícia Federal americana, a repórteres em Haia. Quase 20 milhões de mensagens foram interceptadas. Segundo a agente especial do FBI, Suzanne Turner, durante coletiva de imprensa sobre a operação "Escudo de Troia" nesta terça, 8, a operação envolveu também a polícia europeia e resultou em prisões de envolvidos no tráfico internacional de drogas na Austrália, na Ásia, na Europa, na América do Sul e no Oriente Médio.

Foram apreendidos US$ 148 milhões em dinheiro e criptomoedas (cerca de R$ 750 milhões) e 32 toneladas de drogas (incluindo mais de oito toneladas de cocaína e também maconha, anfetaminas e metanfetaminas) em todo o mundo, além de 250 armas de fogo e 55 carros de luxo. Não há informações sobre a participação do Brasil na operação até o momento.

POLÍCIA NO BOLSO

A "Trojan Shield" começou quando autoridades americanas pagaram a um traficante de drogas condenado para dar-lhes acesso a um smartphone e instalou o "Anom", um aplicativo de mensagens criptografadas. Os telefones "criptografados" passaram então a ser vendidos para redes de crime organizado, por meio de distribuidores no submundo do crime, por dois mil dólares cada um, o equivalente a dez mil reais.

Os celulares não tinham e-mail nem serviço de ligação ou GPS e era necessário enviarem um código por outro usuário do Anom para que o dispositivo funcionasse. O serviço de mensagens "seguro" era escondido em um aplicativo de calculadora. "Os aparelhos circulavam organicamente e se tornaram populares entre os criminosos, que confiavam na legitimidade do aplicativo porque figuras reconhecidas do crime organizado os defendiam", afirmou a polícia da Austrália em um comunicado.

A infiltração acabou em março deste ano, quando o usuário "canyouguess67" apontou no WordPress que o Anom era uma "farsa" e que um dispositivo que havia testado estava "em contato permanente" com os servidores do Google e transmitia dados para outros não seguros na Austrália e nos EUA. "É preocupante ver uma série de endereços IP vinculados a muitas corporações dentro da Five Eyes"", dizia a publicação antes de ser removida. Five Eyes ("Cinco Olhos") é o nome da aliança de inteligência entre Austrália, EUA, Canadá, Reino Unido e Nova Zelândia.

Fonte: G1

Comunicar erro