Farol

Temporal formado em São Paulo atingiu Frutal e região

Nuvem de poeira se originou na região de Franca e Bebedouro, atingindo a região de Frutal e cobrindo o céu

Por João Cerino em 27/09/2021 às 12:29:39

Uma tempestade de poeira que se originou nas proximidades de Franca e Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, viajou rapidamente e atingiu a região de Colômbia, na divisa com Planura e passou por Frutal na tarde deste domingo. Ao acompanhar o fenômeno em grupos de WhatsApp de jornalistas, a redação do Alô Frutal foi tomando conhecimento que o fenômeno chegou a escurecer o céu em algumas cidades, acionando o sistema de iluminação pública. O temporal derrubou árvores e deixou moradores de Catanduva-SP sem energia elétrica, o mesmo acontecendo em diversas cidades daquela região, mas causou queda de energia e de duas árvores em Colômbia-SP. O fenômeno, chamado "frente de rajada" é comum na região de Franca, Jaboticabal e Bebedouro, onde a industrialização da cana cria áreas de terra expostas após a colheita, fazendo com que ventos mais fortes levantem poeira e cinzas de queimadas no solo seco, criando uma nuvem de poeira que é semelhante às tempestades de areia encenadas em filmes. No entanto, não se tem notícia anterior de uma nuvem de poeira e detritos que tenha alcançado a distância entre o ponto de origem e a região de Frutal. Uma estimativa do site Portal Notícias Colômbia, feita pela bióloga Maria Inácia Macedo Freitas, estima que a rajada de vento era superior a 80 quilômetros por hora, mas pela rapidez com que chegou a Frutal, verificada em tempo real no grupo de WhatsApp Jornalistas e Assessores, foi muito curto o tempo para que a tempestade chegasse à região de Barretos e em seguida à região de Frutal. Para causar estragos como queda de árvores e redes de energia, a velocidade do vento pode ter sido superior, de acordo com o relevo de cada região, que oferece maior ou menor resistência aos ventos. A velocidade do vento pode ter sido estimulada pelas condições do clima que o país está vivendo, com falta de chuvas regulares e aumento da temperatura. Segundo pesquisa pela Internet, a tempestade de poeira e os ventos causaram queda de sessenta árvores e deixou bairros alagados no interior de São Paulo. Alguns relatos estimam que o fenômeno climático deve ter chegado a dez quilômetros de altura. Algumas cidades pelas quais a nuvem passou tiveram fortes chuvas na sequência, mas pela região de Frutal esse volume foi fraco, não chegando a molhar a terra completamente.

FRUTAL

Segundo a meteorologista Estael Sias, da MetSul Meteorologia, o fenômeno, comum em países da Ásia, é conhecido por lá como "haboob" e geralmente envolve chuva forte após a poeira. Não é o que se prevê para a região de Frutal, que teve uma chuva bastante fraca, só deverá ter chuva de volume significativo após o dia 8 de outubro.

Nesta segunda-feira, o tempo deverá ser quente e nublado, com fraca possibilidade de chuva volumosa. Após a segunda, 27, a fraca possibilidade de chuva acontece somente na quarta-feira, 29 e no dia 1º de outubro. Após isso, o tempo permanece instável, com variação de temperaturas até o dia 8, quando podem acontecer mudanças bruscas de temperatura que tragam chuva por volta do dia 8 ou 10 de outubro. A previsão por modelos matemáticos verificados nos últimos trinta anos indica uma média de 65 milímetros de chuva até 1º de outubro, mas esse volume ainda não foi atingido.


Fonte: Pesquisa em sites da Internet

Comunicar erro
Revista Atual