Frei Gabriel só tinha dois leitos destinados para pacientes da Covid-19 na sexta-feira, 5

Esse número significa que a taxa de ocupação é de 75% e o hospital está à beira do colapso

Por João Cerino em 06/03/2021 às 10:18:16

Hospital Frei Gabriel e Pronto Socorro (no detalhe) estão no limite (Foto: Secom Frutal)

Com o aumento de casos da Covid-19 em Frutal, o sistema de saúde da cidade está à beira do colapso. Essa é a conclusão do médico Daniel Bernardes, diretor clínico do Hospital Frei Gabriel. Desde junho do ano passado, o número de casos registrados tem crescido mês a mês. "O único período em que ocorreu uma pequena queda foi no final do ano, quando as pessoas, por causa das festas, deixam de procurar ajuda médica. Mas já a partir de 15 de janeiro, houve um aumento substancial e hoje temos notificado muitos casos diariamente", explica.

Por isso, na opinião dos médicos que estão na linha de frente do combate à doença em Frutal, é preciso achatar a curva de transmissibilidade do vírus o mais rápido possível, porque há um sério risco de faltar leitos para os pacientes não só de Frutal, mas das outras dez cidades que compõem a microrregião.

Atualmente, 75% dos leitos do Hospital Frei Gabriel que estão destinados para pacientes que contraíram Covid estão ocupados e isso significa que existem apenas dois leitos disponíveis, um para pacientes que estão com suspeitas da doença e outro leito para quem positivo. Outro dado que preocupa as autoridades de saúde do município é que a quantidade de casos positivos da doença, que não diminui nem mesmo nos finais de semana. "Não há uma desaceleração dos atendimentos no pronto-socorro. Em janeiro, foram atendidas cerca de quarenta pessoas com sintomas gripais todos os dias e em fevereiro essa média diária subiu para cinquenta atendimentos. Houve dias em que atendemos setenta pessoas.

O médico diz que a principal preocupação são pacientes que precisam de internação. Precisamos aumentar a nossa capacidade operacional. Atualmente, contamos com oito leitos, mas a nossa intenção, juntamente com a Secretaria Municipal de Saúde, é ampliar para doze ou até mesmo 24 leitos. É preciso endurecer as regras, a gente sabe que isso impacta negativamente a economia, mas esse é um momento de conseguirmos sobreviver a tudo o que está acontecendo", informa Daniel.

Segundo o diretor clínico do Hospital Frei Gabriel ainda não é possível dizer que o sistema de saúde em Frutal já entrou em colapso, mas a situação é grave. "Estamos na iminência de entrar em colapso. Por exemplo, se houver muitos casos confirmados e tivermos que interná-los e não conseguirmos transferi-los para Uberaba, já podemos dizer que ocorreu o colapso. Estamos à beira do precipício".

Luciana Carleto, gestora do Ibrapp-Instituto Brasileiro de Políticas Públicas, empresa responsável por administrar o Hospital Frei Gabriel, o fluxo é padrão para todos os pacientes. "Detectada a necessidade de vaga, o paciente é incluso no sistema SUS Fácil e é essa equipe a responsável por negar ou autorizar as transferências que podem ser feitas para qualquer hospital público do estado de Minas Gerais".

A secretária de Saúde, Lamonise Ribeiro, afirma que a situação em que se encontra o avanço da doença, principalmente, na região do Triângulo Mineiro, preocupa. "Nos 28 dias de fevereiro, foram 27 pacientes de Frutal transferidos para Uberaba, sendo que 14 dessas pessoas foram direto para a UTI. Estamos em estado de alerta, com a possibilidade de migrar para a onda roxa. Esse é um momento de cautela e de cuidado para que o pior não aconteça".


Fonte: Com informações da Secom-Frutal e Secretaria Municipal de Saúde

Comunicar erro