Farol

Jornalista escreve desabafo em torno do cansaço popular após um ano de pandemia

Ele faz um apelo para que toda a classe política 'acorde' e se volte a atender às necessidades do povo

Por João Cerino em 08/03/2021 às 13:18:47

Nos debates comuns em grupos de jornalistas, encontrei a manifestação do colega Zeca Ferreira, que desenvolve a profissão há 30 anos e atualmente atua no Jornal 'O Povo' em Barretos, há 14 anos. Em um texto publicado somente no grupo de profissionais de imprensa, ele fez um desabafo sobre o que descreveu de "muito mimimi da classe política".



Passou da hora de dar um basta

Passou da hora de conversinha política por meio de lives em sala ou auditório com ar condicionado.

Já eleitos pelos próximos quatro anos, passou da hora dos prefeitos e vereadores usarem seus argumentos e vozeirão de palanques eleitorais e irem para cima do governo atrás de respiradores desativados e encaixotados para montarem com recursos próprios dos municípios, seus leitos de UTI.

Conversinha fiada e mole o povo está de saco cheio, fora o saco cheio por mais de um ano em sofrimento e pânico constante, com as políticas públicas mal elaboradas e mal administradas na área da saúde.

Isso pra não falar de anos e anos passados onde não se deu a mínima preocupação com a saúde pública em comunidades, bairros e municípios inteiros, só se preocupando com a política, com o cargo público, com o poder de se enraizar com cara e nome na história de um município e comunidade, para ser lembrado eternamente.

Os municípios têm condições SIM de montar seus leitos de UTI sem precisar de conversa fiada, de livezinhas políticas de pessoas como o senhor Marco Vinholi e o governador Dória.

O povo, a população está com o saco cheio disso. Ninguém suporta mais.

Precisamos de ação, atitude de ser humano de verdade, não de ação política. Precisamos de ação humanitária. Só a oração e o sentimento puro com o próximo não funcionam mais. Esgotou-se esse prazo, embora DEUS seja eterno e sua FORÇA também seja eterna.

Mais de 600 prefeitos bateram um papinho com o governador no começo da semana e nada se resolveu. Quem está chegando nas UTI's lotadas neste momento não precisa de vacina. Precisa de leito, respiradores e sobreforça humana dos profissionais de saúde para suportar o atendimento necessário.

Barretos possui um excelente gestor de saúde. Com espaço e dinheiro suficiente para sobrepor à falta de sanidade dos políticos do Estado e da União.

Basta que ele deixe de lado, por algum momento, sua simpatia política para com Brasília e passe a se simpatizar com a causa justa do município que sempre o acolheu e o transformou no que atualmente é, e faça com que sua sanidade se volte para o bem e necessidade urgente da sua comunidade, que sempre o acolheu e à sua família.

Barretos e região precisa se unir urgentemente, desde anteontem, de muito lá atrás, parar com passinho de cisne e cair na realidade. Os políticos que aqui habitam, Barretos e região, precisam abrir a boca, gritar, protestar, exigir direitos do povo, saúde pública digna, por exemplo, que governos, estadual e federal, se negam a oferecer.

O pânico que começou em 2020 vai persistir em 2021 e para pânico não existe vacina. Existe apenas tratamento que, infelizmente, o isolamento só faz piorar.

Que cada um se cuide como possa, física e espiritualmente. Que nossos políticos acordem para a vida e cumpram com o que prometeram e juraram quando assumiram seus cargos.

E que Deus tenha compaixão de todos aqueles precisarem de um atendimento médico em nossa cidade e região nestes tempos de trevas.

Comunicar erro
Revista Atual