Forseti deu combate a corrupção e tráfico

Ação da Polícia Federal revelou envolvimento de policiais com tráfico e lavagem de dinheiro

Por João Cerino em 28/06/2022 às 10:51:20

Belo Horizonte - A Polícia Federal e a Corregedoria de Polícia Civil do Estado de Minas Gerais deflagraram na manhã da terça-feira, 28 de junho, a Operação Forseti, com o objetivo de desarticular um grupo criminoso voltado para a prática de crimes de corrupção, tráfico de drogas e outros. No decorrer das investigações foram encontrados fortes indícios de que policiais da Delegacia de Repressão ao Furto, Roubo e Desvio de Cargas-Depatri, da PC, receberam vultosos valores para esvaziar o procedimento investigativo sobre um indivíduo preso na cidade de Ribeirão das Neves-MG.

Ele estava com 36 quilos de cocaína que foram localizados no interior de uma residência utilizada pelo grupo criminoso como uma espécie de laboratório para o armazenamento, preparo e corte de drogas. Conforme apurado, a negociação envolveu tanto a soltura do preso quanto a devolução da carga ilícita apreendida aos criminosos. O aprofundamento das investigações revelou, ainda, o envolvimento dos policiais investigados com outros esquemas de corrupção, de tráfico de drogas e de lavagem de dinheiro, nos quais há a utilização de interpostas pessoas, físicas e jurídicas, para ocultação dos valores obtidos como produto dos crimes.

Na manhã desta terça-feira, 28, estão sendo cumpridos mandados expedidos pela 2ª Vara de Tóxicos, Organização Criminosas e Lavagem de Dinheiro de Minas Gerais, sendo nove de prisão preventiva, 23 de busca e apreensão, seis afastamentos da função pública de policiais, bloqueio de valores em 23 contas bancárias de investigados e envolvidos, além do sequestro de 33 imóveis e de diversos veículos.

Os mandados estão sendo cumpridos, simultaneamente, nos municípios mineiros de Belo Horizonte, Contagem, Nova Lima, Ibirité, Sarzedo, Sete Lagoas e Juiz de Fora, com a participação de 104 policiais, sendo 76 da Polícia Federal e 28 da Polícia Civil.

O nome da operação, Forseti, está relacionado à figura mitológica nórdica caracterizada pela representação da justiça e do conhecimento interior. Os presos ficarão à disposição da justiça e responderão pelos crimes de tráfico de drogas, previsto no Artigo 33 da Lei 11.343/06, corrupção ativa, previsto no Artigo 333 do Código Penal e Lavagem de dinheiro, previsto no Artigo 1º da Lei 9613/98 e, se condenados, poderão cumprir até 37 anos de reclusão além de multa.

ATUALIZAÇÃO

A Operação Forseti cumpriu vinte mandados de busca e apreensão e, das sete ordens de prisão, conseguiu cumprir cinco, sendo três delas de policiais civis. As apreensões reuniram dezessete armas, 24 carros, duas motocicletas e um quadriciclo.


Fonte: Comunicação Social - PF-MG

Comunicar erro